expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quinta-feira, 30 de março de 2017

Hello there.


Oi !

Tudo bem por aí??

Juro-vos que estou viva.. Decidi passar por aqui para vos dar um Oi porque acho que merecem uma explicação da minha parte. Não tenho publicado nada por aqui maioritariamente por falta de ideias (same old, same old) e depois por causa de alguma preguiça, confesso. Não têm sido dias fáceis e eu tenho optado por não falar nada por por aqui por ser uma situação a nível complicada a nível familiar. Tenho o meu pai doente, bastante doente. Eu penso que já mencionei algo por aqui pelo menos uma vez. Só as pessoas mais próximas é que sabem de toda a situação; do que se anda a passar e seguem tudo de perto. Aqui no blogue optei por não abordar o assunto, como devem imaginar, é uma situação que me diz respeito mas ao mesmo tempo não me diz respeito, porque é uma situação como disse familiar e por isso, muita gente à mistura e mexe muito com tudo em volta. Estas coisas nunca são fáceis e muito menos quando vemos a nossa vida e daqueles que mais gostamos e nos são muito próximos a andar para trás. Vermos alguém de quem nós gostamos e que nos é próximo a perder a qualidade de vida a uma velocidade estonteante; principalmente nos últimos 2/ 3 anos tem muito que se lhe diga.

Avizinham-se tempos bastante difíceis e por isso eu tenho tentado que estejamos todos juntos mais vezes; apesar de que no meu caso, não ser tão possível quanto gostaria devido ao meu horário  de trabalho que me obriga a trabalhar os fins de semana todos. Todos os momentos possíveis estamos juntos, a manter a esperança, a acompanhá-lo em tudo o que é preciso e isso é o que mais importa. Segurar o barco é a ordem de trabalho por aqui, para não afundarmos nem perdermos o controle. A palavra de ordem é a força e a esperança e é assim que tentamos enfrentar o dia a dia. Esta situação toda já se arrasta à largos anos, que me lembre, mal entrei na faculdade e que desde o inicio deste ano se tornou realmente preocupante para todos porque, após andarmos de hospital em hospital, especialidade em especialidade, médico em médico; termos finalmente descoberto o que se andava a passar com ele de verdade; graças a um exame médico especifico que fomos fazer ao Hospital do Porto que depois com um exame complementar de sangue nos deu a resposta que procurávamos durante anos.  A resposta não só veio, por um  lado para "descansarmos" por pelo menos ficarmos a saber o que estamos afinal a enfrentar e podermos começar a tratar, como ficámos a perceber que é uma doença que afecta toda a família do lado dele e nós não sabíamos de nada porque não havia qualquer historial nem qualquer suspeita. Basicamente andámos estes anos a pensar uma coisa e é outra totalmente diferente.

Por outro lado, existe esta realidade crua que é a de seguir com a vida para a frente; seguir o "curso normal" das coisas e que passa obrigatoriamente por crescer e por conseguinte, fazer planos, sair de casa e construir uma vida a dois. O que é para mim muito estranho e difícil porque nunca antes pensei passar por uma coisa assim. Imaginamos sempre uma transição para a vida adulta, feliz, plena, sem grandes problemas a não ser os nossos próprios. Ver uma  situação destas a acontecer e ao mesmo tempo estarmos a planear uma vida "feliz" e independente noutro lado, parece uma contradição na verdade.. Colocamos imediatamente  tudo em perspectiva.

Tirando isto, não se passa realmente mais nada.. achei que mereciam uma explicação e agora já a têm.
Vou tentar manter o blogue activo o mais possível, mas eu não prometo nada.

Por agora é tudo; não me quero debruçar muito sobre este assunto. Um dia mais tarde, quem sabe. 

Beijinhos *

C.C


6 comentários:

Obrigada pela tua visita! Responderei a todos os comentários na respectiva publicação.

C.C